Presidente do Cosems-AM representa Conasems no Encontro de Vigilância do Óbito e Sistemas SIM e SINASC com os DSEIs

por Comunicação Cosems-AM
em News
Acessos: 154

A Secretaria de Vigilância em Saúde (SVS) por meio do Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis e Promoção da Saúde – DANTPS realizará no período de 15 a 17 de maio de 2018, em Manaus-Am, o Encontro de Vigilância do Óbito e Sistemas SIM e SINASC com os DSEIS.

O Encontro tem como objetivo integrar os setores da saúde indígena, vigilância epidemiológica e informação, avaliar as dificuldades e avanços do processo de implantação da vigilância de óbitos indígenas, bem como definir e pactuar estratégias para seguimento ao processo de implantação da vigilância qualificada de óbito indígena de mulheres e crianças.
A abertura do evento ocorreu hoje no o Hotel Intercity Manaus e contou com a presença de representantes dos 34 DSEIs do Brasil, para trata da questão do sistema de informações de natalidade e mortalidade a nível nacional.
A fala no encontro foi de consolidar a importância desses sistemas de informação que deverão ser implantados nos DSEIs para que haja um monitoramento da natalidade e mortalidade nas áreas indígenas, e que também estejam atentos as condicionalidades desses sistemas de informação, para que não aconteça o mesmo que ocorre nos municípios que enfrentam problemas em relação aos sistemas: SIM, SINASC , por se tratar de sistemas que podem bloquear recursos da vigilância em saúde, já que esses sistemas não tem um calculo fidedigno, são meramente baseados em cálculos estatísticos, que as  vezes não se consolidam, ou seja, alguns municípios são penalizados por conta do calculo estatístico não exato na questão do município.
Januário Neto, presidente do Cosems-AM declarou “Estivemos aqui para nos solidarizar  à implantação desse sistema de informação, chamar atenção para as dificuldades e garantir que não haja mais paralelização, ou seja, o sub-sistema de saúde indígena trabalhando pra um lado e os municípios para o outro, isso não pode acontecer, devemos ter integração sobretudo na informação em saúde para melhorar nossos indicadores.”  


 

Fonte: Assessoria de  Comunicação do Cosems-AM.